Bernardo Pires de Lima

No. of Articles: 561
Newspapers: Jornal i | Diário de Notícias

1. A Europa num só dia

Eis-nos chegados ao dia mais importante do ano para a zona euro: o referendo em Itália sobre a reforma constitucional. Parece estranho associar o futuro próximo da moeda única a alterações à lei fundamental, mas o facto é que o cerco político está montado e o principal culpado é o próprio Matteo Renzi. Transformar um referendo como este num voto de confiança ao governo e não nos méritos da própria reforma, depois das emendas terem sido aprovadas no Parlamento (é certo que sem os dois terços necessários), é um mau princípio político e remete, como no referendo britânico, para a máximo "ou eu ou o caos". Se a lição estivesse bem estudada, Renzi não faria deste referendo um elemento existencial para si e sobretudo para o seu país, sabendo como têm sido penalizadas as narrativas do medo e premiadas as do enamoramento pelo caos. Basta recordar o brexit e a eleição de Trump. Além disso, há uma diferença substancial entre referendar a permanência numa união política e corrigir os equilíbrios institucionais num determinado sistema.

Written by Bernardo Pires de Lima 04 Dec, 2016
2. A 'surge' latina

As últimas 48 horas mostraram uma afinação na estratégia democrata, com Hillary a focar mensagem e presença em estados onde o voto latino pode ser decisivo se mobilizável. É o caso tradicional da Florida, onde o voto latino antecipado superou em 200 mil o número de 2012, com uma predominância de não cubanos e eleitores estreantes. Não é certo que Clinton aqui vença, mas se o fizer é à demografia latina que o irá dever. Se conseguir acrescentar a Florida aos outros 18 estados que há seis eleições consecutivas votam no candidato democrata, a vitória pertence-lhe. A questão é que Michigan, Wisconsin, Pensilvânia e Minnesota não estão seguros, levando a máquina democrata até à revolta latina anti-Trump em estados habitualmente republicanos, como o Nevada, Carolina do Norte, Colorado e Arizona. Importante neste quarteto é o voto antecipado já ter atingido metade do total da participação de 2012, o que indica um compromisso mais convicto do que se pensava com a frente clintoniana. Neste sentido, Hillary pode não precisar da Florida se vencer no Nevada, Carolina do Norte, New Hampshire e Colorado. Assim, tal como Obama assentou vitórias nas minorias afro e latina, pressão que o levou a legislar e lutar contra o bloqueio do Congresso, também Clinton pode ficar a dever a vitória à surge latina. Ora, isto tem um efeito imediato, dado o sentido de proteção que essa comunidade espera, depois do ódio sofrido na campanha. A pressão justicialista que Hillary sofrerá e o peso desses votos implicam que garanta maioria no Senado e rostos políticos no topo da administração para desbloquear o diálogo com os republicanos que ainda se aproveitam no Congresso. É por isso que Joe Biden começa a ser suscitado para o Departamento de Estado e uma republicana, como Susan Collins, para a Defesa. A acontecer, poucas administrações terão um cunho tão político como a de Hillary.

Written by Bernardo Pires de Lima 07 Nov, 2016
3. Stress pré-eleitoral

Washington é uma boa torre de controlo eleitoral. É certo que não se vê campanha nas ruas, até porque a cidade é um baluarte democrata, o que pode parecer uma apreciação traiçoeira: há um país a mexer fora da capital e ninguém, honestamente, pode medir o pulso à campanha apurando o faro pelo que aqui vê. Mas isso não significa que Washington não permita aceder a outro tipo de análises impossíveis de obter se estivéssemos a percorrer o país. Uma delas resulta da sua natureza paroquial, de se chegar com mais ou menos facilidade a quase toda a gente relevante na política americana, trabalhe nos corredores da administração, na comunidade de think tanks ou nos media. Esta é a mais-valia de DC: medir a tensão política por dentro. Devo dizer-vos que a pulsação está acelerada, os nervos à flor da pele e a ansiedade a crescer. Não é para menos: Trump tem trabalhado bem a cumplicidade com os eleitores brancos da classe trabalhadora em estados onde têm uma palavra a dizer, como a Carolina do Norte ou o Wisconsin, e Clinton não tem outra estratégia que não a de aparecer rodeada de estrelas da política e do entretenimento, mascarando a sua notória falta de afirmação em campanha. Claro que tem a seu favor uma máquina partidária imprescindível à mobilização, lidera nos votos antecipados - importante entre afro-americanos na Carolina do Norte ou latinos na Florida - e pode beneficiar da dispersão interna entre republicanos. Mas o que faz desta eleição um momento de ansiedade extrema é a dificuldade em medir aquele eleitorado que não assume ir votar em Trump mas que na hora da verdade o fará. Esta mancha cinzenta é inquietante e traz uma tensão extra a quem não vê em Hillary qualquer rasgo que a faça descolar. Não é à toa que a Associação Americana de Psicologia diz que 52% dos adultos vivem em "stress eleitoralmente relacionado". Esta não é uma eleição igual às outras.

Written by Bernardo Pires de Lima 06 Nov, 2016
4. O juiz

A última vez que o Senado se recusou a votar o nome escolhido pelo presidente para juiz do Supremo foi em 1875, o que reforça a ideia de que o comportamento republicano no atual tempo político é anacrónico. Os bloqueios que foram montados a Obama só por muito boa vontade encaixam na categoria de contrapesos, tal foi a lógica destrutiva que moveu a maioria republicana no Congresso. A questão é o que acontecerá se os democratas recuperarem o Senado. Uma das prioridades será dar início à audição de Merrick Garland, o juiz escolhido em março pela Casa Branca para suceder ao falecido Antonin Scalia, e que ao ser aprovado desempatará a balança de oito juízes em favor do campo liberal. Claro que se Hillary vencer pode abdicar de Garland e escolher alguém mais marcadamente à esquerda, mas isso consumir-lhe-ia tempo e desgastá-la-ia mais e este não é o momento para empreitadas desnecessárias. Mas em que é que isto é relevante para o sistema político e para o próximo presidente? Tocqueville dizia que tudo o que começa político acaba jurídico, pelo que o Supremo manterá em mãos uma série de disputas ideológicas num tempo desfavorável ao entendimento partidário. Mais importante do que tudo, dada a veterania de vários juízes, é a hipótese de nos próximos quatro anos alguns deles renunciarem e a sua substituição sintonizar a agenda do presidente com o principal tribunal do país. Claro que isto é válido para Trump como para Clinton, mas não vale a pena esconder que o trumpismo político advoga legislação contrária às liberdades individuais, direitos civis, limites ao financiamento das campanhas ou à massificação do acesso à saúde. Se a tentação for subjugar o Supremo, esvaziando a separação de poderes e abrindo uma crise constitucional, então a próxima administração não terá um segundo de paz. Esta não é mesmo uma eleição igual às outras.

Written by Bernardo Pires de Lima 05 Nov, 2016
5. A outra eleição

Fala-se pouco nela, mas a eleição para o Senado é tão ou mais importante do que a da Casa Branca. Não está a ser travada no mesmo charco e não aconchega o ângulo europeu que se entretém a pôr os ovos todos do poder na cesta presidencial, mas pode definir o modo e o alcance do exercício do próximo presidente. Uma coisa é certa, vença quem vencer, não haverá um só segundo de estado de graça, luxo que a política atual não tolera.

Written by Bernardo Pires de Lima 04 Nov, 2016
6. A outra eleição

Fala-se pouco nela, mas a eleição para o Senado é tão ou mais importante do que a da Casa Branca. Não está a ser travada no mesmo charco e não aconchega o ângulo europeu que se entretém a pôr os ovos todos do poder na cesta presidencial, mas pode definir o modo e o alcance do exercício do próximo presidente. Uma coisa é certa, vença quem vencer, não haverá um só segundo de estado de graça, luxo que a política atual não tolera.

Written by Bernardo Pires de Lima 04 Nov, 2016
7. Lama na ventoinha

O caso dos e-mails só forçosamente encaixa na "surpresa de outubro", dado que há mais de três anos atormenta Hillary Clinton. A sua negligência é conhecida e escalpelizada à exaustão pela imprensa, WikiLeaks, pundits de serviço, procuradoria e por uma comissão do Congresso. Para ser uma "surpresa de outubro" teria de se aproximar da hecatombe de Wall Street que atarantou por completo John McCain em 2008; ou da emergência na Costa Leste depois da devastação do furacão Sandy (que aqui vivi na pele) e que distinguiu a coragem política entre Obama e Romney; ou do anúncio de Kissinger, em 1972, sobre a proximidade de paz no Vietname, depois de quatro anos infrutíferos de Nixon, e que acabaria reeleito com 20% de diferença sobre George McGovern. Em todo o caso, desde que as "surpresas de outubro" foram cunhadas que o seu impacto pouco alterou a vantagem já detida por um dos candidatos, o mesmo é dizer que os e-mails podem não provocar uma reviravolta a favor de Trump, até porque a apreciação de confiança (ou falta dela) em Hillary não se altera com este caso. Em bom rigor, a dinâmica de aproximação de Trump já tinha arrancado antes da carta enviada aos congressistas pelo diretor do FBI, o que significa que há um caráter enraizadamente popular e seguro em redor da natureza política de Trump. E isto é ainda mais pernicioso para os EUA. Hoje, a existir surpresa é o comportamento do diretor do FBI, que além de tocar no limite do abuso de poder e da violação da lei Hatch imiscuindo-se na campanha, justificou a reabertura da investigação com insinuações vagas e insensatas. Depois das acusações à Rússia por ciberataques - que o mesmo diretor do FBI se recusa a oficializar, mesmo partilhando o diagnóstico -, a América vive uma insubordinação no topo da investigação criminal. O pior é que depois de dia 9 a lama continuará na ventoinha.

Written by Bernardo Pires de Lima 03 Nov, 2016
8. 15 anos depois chegou a conta

Não será a memória mais fresca que teremos dos mandatos de Bill Clinton, mas vale a pena recordar que nesses oito anos os EUA lideraram nove intervenções militares: Somália (1993), Iraque (1993, 1996, 1998), Haiti (1994), Bósnia (1995), Iraque, Afeganistão, Sudão (1998) e Kosovo (1999). É certo que umas com mais enquadramento legal do que outras, algumas com menos aliados do que o desejável, todas com epílogos distintos, mas sempre de acordo com o cardápio que definiu a doutrina Clinton: punir ditadores, mudar regimes, travar limpezas étnicas, mostrar músculo militar, vincar o estatuto de "nação indispensável", contornar os vetos de terceiros no Conselho de Segurança e confirmar o triunfalismo ocidental vencedor da Guerra Fria. No essencial, este menu foi continuado nos anos de George W. Bush, com três nuances que fizeram toda a diferença.

Written by Bernardo Pires de Lima 11 Sep, 2016
9. A afirmação chinesa. Ou não

O congestionamento marítimo, a disputa soberanista no Pacífico e no Índico, o equilíbrio entre mercado interno e exportações, e a necessidade de alimentar energeticamente um alto crescimento económico levaram a China a pensar a sua política externa. Para organizar estrategicamente este percurso, a administração chinesa recriou a velha Rota da Seda de forma a potenciar o seu charme diplomático e contornar os imponderáveis na vizinhança próxima. Assim, em 2013, anunciou o programa mais ambicioso de diplomacia económica desde o Plano Marshall, abrangendo 65 países e 4,5 mil milhões de pessoas, equivalente a 65% da população mundial. A Nova Rota da Seda quer fazer da Eurásia o verdadeiro centro político e económico global, desviando o Atlântico do centro de gravidade nas próximas décadas. A rota terrestre sairá de Xi"an, na China, de onde partia a original Rota da Seda há dois mil anos, e percorrerá um corredor de infraestruturas rodoviárias e ferroviárias entre Urumki (capital da província chinesa de Xinjiang), Almaty (Cazaquistão), Bichkek (Quirguistão), Samarkand (Usbequistão), Dushanbe (Tajiquistão), Teerão (Irão), Istambul (Turquia), Moscovo (Rússia), Minsk (Bielorrússia) e Roterdão (Holanda). A rota marítima privilegiará grandes infraestruturas portuárias de suporte logístico ao comércio marítimo, partindo de Fuzhou, na costa chinesa do Pacífico, seguindo para Guangzhou e Haikou, no disputado mar do Sul da China, Hong Kong, Hanói (Vietname), Kuala Lumpur (Malásia), Jacarta (Indonésia), Colombo (Sri Lanka), Nairobi (Quénia), Atenas (Grécia) e Veneza (Itália).

Written by Bernardo Pires de Lima 01 Sep, 2016
10. A candidata do GOP

Aparentemente a ideia central que sai da convenção democrata é a unidade, ou pelo menos a tentativa de projetá-la. Mas o que resulta de Filadélfia é mais do que isso. É a oportunidade de Hillary Clinton para alargar a plataforma que deu duas vitórias a Obama: minorias étnicas, jovens, mulheres e creative class, gente com educação superior, rendimentos anuais acima dos 75 mil dólares, formando um quarto do eleitorado em 2008 e onde Obama teve 60%. Para derrotar Trump, Hillary precisa também de chegar a republicanos que, apavorados com o seu candidato, não se importarão de engolir em seco e nela votar. Se olharmos para alguns dos principais oradores em Filadélfia, vimos Bernie Sanders, Bill Clinton e desiludidos do GOP como Michael Bloomberg. Dir-me-ão que Bloomberg foi um republicano (e democrata) atípico e que será difícil agradar a sanderistas e a republicanos moderados. De acordo. Mas é aqui que entra a agenda Clinton. Por exemplo, neste momento quem conquistou o establishment ideológico em segurança nacional e política externa foram os democratas, que estão a segurar quem tem peso na opinião pública sobre intervenções militares, terrorismo, dignidade das forças armadas, estabilidade das alianças e organizações internacionais. Mesmo tomado Hillary opções erráticas nalgumas destas áreas, tem sido ela a depositária desse escol, dado o delírio das tiradas de Trump. Muitos dos eleitores que habitualmente dão prioridade à segurança e à política externa viam no GOP o fórum realista dessa agenda. Trump deixou-os órfãos. E numa campanha onde um dos lados simboliza rutura institucional, disfuncionalidade hierárquica, agitação interdepartamental, vulnerabilidade externa, menosprezo negocial e até instabilidade económica, quem procura previsibilidade, estabilidade e continuidade será levado a votar Clinton. Não por convicção, mas por sobrevivência.

Written by Bernardo Pires de Lima 30 Jul, 2016
more

People

Obama (99)
Putin (57)
Assad (45)
Bush (33)
Clinton (30)

Locations

Europa (147)
Síria (103)
Iraque (99)
Médio Oriente (94)
EUA (93)

Organizations

UE (123)
EUA (108)
Washington (86)
Irão (72)
NATO (69)